Buscar
Medicina Macabra - Volume 02
Medicina Macabra 2, de Lydia Kang e Nate Pedersen, propõe-se a investigar o que movem os trapaceiros, charlatões, embusteiros, vigaristas e impostores. Aquelas pessoas que se aproveitam do nosso medo da morte, ou da existência de doenças, a fim de vender produtos que não só não funcionam, como podem até mesmo ser perigosos ou fatais. Se soa extremamente familiar e contemporâneo — ao relacionarmos com a tentativa de receitar remédios para verme e piolho que prometem um suposto tratamento precoce contra um vírus —, é importante ressaltar que a charlatanice não é fruto apenas da decisão de enganar os outros, como no caso dos exemplos acima, mas também pode ser fruto da ignorância, da superstição, e da manipulação.
Ainda que o termo geralmente signifique a prática ou a divulgação de tratamentos médicos intencionalmente fraudulentos, também são charlatões aqueles que promovem desinformações nas quais eles mesmos acreditam. Tais impostores podem ignorar, ou até mesmo questionar os fatos científicos; muitos deles viveram séculos atrás, antes do método científico ser abraçado pelo senso comum da civilização. Os tratamentos propostos por eles, quando vistos sob o prisma moderno, parecem completos absurdos. Que tal usar testículos de furão como contraceptivo? Ou tentar curar anemia com sangria? Nenhum de nós é totalmente imune ao ensejo de procurar por soluções rápidas. Cem anos atrás, talvez estivéssemos mais predispostos a comprar um tônico de estricnina.
Olhando para trás com fascínio, horror e um pouco de humor, Medicina Macabra 2 relata a história viva, por vezes inacreditável, de erros médicos e práticas médicas incorretas. A obra aborda dezenas de “tratamentos” hoje considerados bizarros concebidos por médicos e cientistas, espiritualistas e comerciantes que se baseavam em inúmeras fraudes sem noção. Repleto de ilustrações, fotografias e anúncios de época, a obra combina perfeitamente o humor macabro com a ciência e acaba por revelar uma faceta tão importante quanto perturbadora da medicina, que segue em constante evolução.
mais

De: R$ 74,90Por: R$ 67,40ou X de

Economia de R$ 7,50

Comprar

Calcule o valor do frete e prazo de entrega para a sua região

  • Características

Medicina Macabra 2, de Lydia Kang e Nate Pedersen, propõe-se a investigar o que movem os trapaceiros, charlatões, embusteiros, vigaristas e impostores. Aquelas pessoas que se aproveitam do nosso medo da morte, ou da existência de doenças, a fim de vender produtos que não só não funcionam, como podem até mesmo ser perigosos ou fatais. Se soa extremamente familiar e contemporâneo — ao relacionarmos com a tentativa de receitar remédios para verme e piolho que prometem um suposto tratamento precoce contra um vírus —, é importante ressaltar que a charlatanice não é fruto apenas da decisão de enganar os outros, como no caso dos exemplos acima, mas também pode ser fruto da ignorância, da superstição, e da manipulação.
Ainda que o termo geralmente signifique a prática ou a divulgação de tratamentos médicos intencionalmente fraudulentos, também são charlatões aqueles que promovem desinformações nas quais eles mesmos acreditam. Tais impostores podem ignorar, ou até mesmo questionar os fatos científicos; muitos deles viveram séculos atrás, antes do método científico ser abraçado pelo senso comum da civilização. Os tratamentos propostos por eles, quando vistos sob o prisma moderno, parecem completos absurdos. Que tal usar testículos de furão como contraceptivo? Ou tentar curar anemia com sangria? Nenhum de nós é totalmente imune ao ensejo de procurar por soluções rápidas. Cem anos atrás, talvez estivéssemos mais predispostos a comprar um tônico de estricnina.
Olhando para trás com fascínio, horror e um pouco de humor, Medicina Macabra 2 relata a história viva, por vezes inacreditável, de erros médicos e práticas médicas incorretas. A obra aborda dezenas de “tratamentos” hoje considerados bizarros concebidos por médicos e cientistas, espiritualistas e comerciantes que se baseavam em inúmeras fraudes sem noção. Repleto de ilustrações, fotografias e anúncios de época, a obra combina perfeitamente o humor macabro com a ciência e acaba por revelar uma faceta tão importante quanto perturbadora da medicina, que segue em constante evolução.